Sem reforços para o time profissional até o momento em 2021, a diretoria do Corinthians abriria um precedente para contar com o retorno do volante Paulinho. A possibilidade, inclusive, inundou as redes sociais na última quarta-feira.

A diretoria está atenta, tem interesse, monitora e busca informações atualizadas há mais de um ano, desde a gestão passada. Mas a situação não é tão simples assim.

Aos 32 anos, Paulinho tem contrato com o Guangzhou, da China, até junho de 2022. Por enquanto, não chegou à diretoria alvinegra a informação de que o volante rescindirá seu vínculo com o clube chinês. Se isso vier a acontecer, a situação muda.

Paulinho tem mantido a forma nas dependências do Red Bull Bragantino e está impedido de retornar à China em função do fechamento das fronteiras. Sem a possibilidade de exercer a profissão, tem conversado com seu clube para chegar num consenso.

Mas, mesmo assim, a informação de conhecimento do Corinthians é de que Paulinho recebe na China o equivalente a 16 milhões de euros livres de impostos por temporada (o que equivale a quase R$ 100 milhões) e que não sairia sem receber o restante do contrato ou uma boa parte dele.

Soma-se ao alto valor de salário a possibilidade de Paulinho despertar o interesse de vários outros clubes, tanto do mercado nacional quanto do internacional. O Corinthians não tem a menor intenção (e nem condições) de entrar em leilão. Teria de ser desejo do jogador voltar ao Parque São Jorge.

Ainda assim, mesmo sem querer extrapolar nos gastos em 2021, a cúpula de futebol corintiana seguirá atenta aos passos de Paulinho, que como vários outros jogadores brasileiros viveu dificuldades com o futebol chinês devido à pandemia do coronavírus, o que poderia facilitar uma saída.

Paulinho jogou no Corinthians de 2010 a 2013, tendo feito 34 gols em 167 jogos. Conquistou o Mundial de Clubes e a Libertadores em 2012, além de um Campeonato Brasileiro em 2011 e um Paulistão em 2013. Além de ídolo, é visto como alguém que chegaria para vestir a camisa e jogar.